O “certo” pelo “duvidoso”